Clique aqui
Higienópolis - Pinheiros - São Miguel Paulista

O que é a Quiropraxia?

É uma profissão que colabora com a saúde, detectando, analisando e corrigindo SUBLUXAÇÕES VERTEBRAIS, melhorando a relação entre a coluna vertebral e o sistema nervoso.

Em 1895, enquanto estudava a relação entre a saúde e a coluna vertebral, o Dr. Daniel David Palmer (EUA) descobriu como as mudanças estruturais na coluna afetavam diretamente nosso sistema nervoso. Mais de 100 anos se passaram e a quiropraxia progrediu significativamente como ciência da saúde, tornando-se uma profissão ensinada em mais de 35 universidades distribuídas entre os países mais avançados do mundo.

Segundo a base científica da Quiropraxia, o sistema nervoso controla todos os órgãos, tecidos e células do nosso corpo. Assim, qualquer condição sofrida por este complexo sistema traz consequências tanto imediatas como em longo prazo.

Imagine sua coluna como uma estrutura composta por muitas partes (vértebras) que, quando perdem a sua posição normal ou seu funcionamento (subluxação), criam automaticamente diferentes problemas (complexo de subluxação vertebral), tanto nos nervos que emergem da coluna como nos tecidos (músculos e ligamentos) que circundam as articulações.

O resultado não será apenas a dor nas costas, no pescoço, etc., como muitos acreditam, mas também envolve os órgãos que geralmente vem sendo controlados por estes nervos, ou seja, nossa saúde é afetada de forma geral.

Como e em que a Quiropraxia atua?

Por meio dos ajustes quiropráticos, é possível devolver o normal funcionamento das articulações ou vértebras afetadas, diminuindo as compressões nervosas e melhorando a saúde geral do paciente até alcançar sua recuperação. Os exercícios são fundamentais para a recuperação dos músculos e ligamentos também afetados. De acordo com o quadro do paciente, o quiropraxista irá decidir se é preciso combinar outros métodos, como tração e massagens.

HDevemos sempre considerar que existem alguns fatores que podem influenciar na duração do tratamento:

  • Idade do paciente
  • Presença de artrose ou degeneração nos ossos
  • Redução dos discos intervertebrais
  • O tempo que o paciente vem apresentando o problema
  • Hábitos de postura
  • O grau de tolerância de cada paciente com respeito à dor
  • O peso do paciente
  • Disciplina e cumprimento das consultas e recomendações (exercícios